Compartilhar
Informação da revista
Vol. 81. Núm. 2.
Páginas 212-218 (Março 2015)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 81. Núm. 2.
Páginas 212-218 (Março 2015)
Open Access
Acoustic rhinometry in mouth breathing patients: a systematic review
Visitas
...
Ana Carolina Cardoso de Meloa, Adriana de Oliveira de Camargo Gomesb, Arlene Santos Cavalcantic, Hilton Justino da Silvac
a Sa??de da Comunica????o Humana, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil
b Hospital de Reabilita????o de Anomalias Craniofaciais, Universidade de S??o Paulo (HRAC-USP), S??o Paulo, SP, Brasil. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil
c Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Tabelas (3)
Tabela 1. Estratégias de busca para a consulta nas bases de dados (DeCS e MeSH)
Tabela 2. Classificação metodológica dos artigos selecionados
Tabela 3. Variáveis do estudo
Mostrar maisMostrar menos
Figuras (1)

Introdução: Quando há alteração no padrão respiratório nasal fisiológico, a respiração oral de suplência já pode estar presente. O diagnóstico da respiração oral vincula-se à permeabilidade nasal. Uma das possibilidades para avaliação da permeabilidade nasal é a rinometria acústica.

Objetivo: Revisar, de forma sistemática, a eficácia da rinometria acústica no auxílio diagnóstico de pacientes com respiração oral.

Método: Foram consultadas as bases de dados eletrônicas LILACS, MEDLINE via Bireme e via PUBMED, SciELO, Web of Science, Scopus, PsycInfo, CINAHL e Science Direct, de agosto a dezembro de 2013. Foram encontrados 11.439 artigos, sendo 30 da LILACS, 54 da MEDLINE via Bireme, 5.558 da MEDLINE via Pubmed, 11 da Scielo, 2.056 da Web of Science, 1.734 da Scopus, 13 da PyscInfo, 1.108 da CINAHL e 875 Science Direct. Desses, foram selecionados dois artigos.

Resultados: A heterogeneidade no uso dos equipamentos e materiais utilizados para a avaliação do modo respiratório nesses estudos mostra que ainda não há um consenso na avaliação e diagnóstico de indivíduos com respiração oral.

Conclusão: De acordo com os artigos, a rinometria acústica é utilizada há quase vinte anos, porém são necessários estudos controlados que atestem a eficácia da mensuração da geometria das cavidades nasais como auxílio diagnóstico do modo respiratório.

Palavras-chave:
Rinometria acústica
Respiração bucal
Diagnóstico
Cavidade nasal

 

Introduction: When there is a change in the physiological pattern of nasal breathing, mouth breathing may already be present. The diagnosis of mouth breathing is related to nasal patency. One way to access nasal patency is by acoustic rhinometry.

Objective: To systematically review the effectiveness of acoustic rhinometry for the diagnosis of patients with mouth breathing.

Methods: Electronic databases LILACS, MEDLINE via PubMed and Bireme, SciELO, Web of Science, Scopus, PsycInfo, CINAHL, and Science Direct, from August to December 2013, were consulted. 11,439 articles were found: 30 from LILACS, 54 from MEDLINE via Bireme, 5558 from MED-LINE via PubMed, 11 from SciELO, 2056 from Web of Science, 1734 from Scopus, 13 from PsycInfo, 1108 from CINAHL, and 875 from Science Direct. Of these, two articles were selected.

Results: The heterogeneity in the use of equipment and materials for the assessment of respiratory mode in these studies reveals that there is not yet consensus in the assessment and diagnosis of patients with mouth breathing.

Conclusion: According to the articles, acoustic rhinometry has been used for almost twenty years, but controlled studies attesting to the efficacy of measuring the geometry of nasal cavities for complementary diagnosis of respiratory mode are warranted.

Keywords:
Acoustic rhinometry
Mouth breathing
Diagnosis
Nasal cavity
Texto Completo

Introdução

A respiração nasal assume um importante papel em funções vitais no organismo, como filtração, aquecimento e umidificação do ar inspirado, representando a primeira defesa contra alérgenos inalados; protegendo as cavidades paranasais, auriculares e vias aéreas inferiores, sendo a sua função primordial o preparo do ar para que haja melhor aproveitamento nos pulmões.1-3 Uma vez que a utilização da via aérea nasal esteja impossibilitada, há alteração no padrão respiratório nasal fisiológico, e, a partir daí, instala-se a respiração oral de suplência.4

No entanto, é controversa, na literatura, a definição do que significa respirar normalmente pelo nariz, bem como o estabelecimento objetivo de uma obstrução nasal.5,6 Além disso, a despeito do diagnóstico de respirador oral estar relacionado à obstrução nasal, essa situação não é necessariamente determinante quando o modo respiratório oral se torna crônico.

Testes específicos para avaliação da permeabilidade nasal têm sido, há décadas, utilizados com o intuito de quantificar o sintoma subjetivo de obstrução nasal.5

O espelho milimetrado de Altmann, por exemplo, é um dos instrumentos utilizados na prática clínica para avaliação da permeabilidade nasal. A placa metálica possui um lado liso e outro com marcação milimetrada, permitindo a mensuração precisa da área marcada pela expiração nasal,7 comparando-se a área de condensação entre as fossas nasais.8

Contudo, um dos métodos mais recentes é a rinometria acústica que permite medir, de forma estática, diferentes segmentos da cavidade nasal, desde as narinas até às coanas, de maneira rápida e não invasiva, exigindo pouca colaboração do paciente.9,10 A técnica é embasada na análise do som refletido da cavidade nasal, a partir de ondas sonoras incidentes, levando-se em conta as propriedades desse som, em relação à intensidade e tempo de chegada do eco.9 Portanto, possibilita a medida das distâncias correspondentes às áreas seccionais, geralmente da válvula nasal e das porções anterior e posterior das conchas, e também a medida de volumes nasais, favorecendo, dessa forma, a identificação do local das constrições que contribuem para a resistência nasal,11,12 fornecendo, desse modo, informações topográficas sobre o perfil individual da via aérea nasal e nasofaríngea.13

Sua reprodutibilidade e acuidade foram confirmadas por vários autores14-18; os procedimentos são padronizados e mostram-se confiáveis11,19-22; e pesquisas sobre valores de referência em adultos e crianças também foram relatadas.12,23-27

A técnica também é empregada por vários autores para estimar a obstrução de vias aéreas nasais em diferentes etiologias, bem como o efeito de distintas patologias e de procedimentos cirúrgicos e ortopédicos sobre a cavidade nasal e nasofaríngea, na população infantil e adulta.18,28-37

O valor clínico da rinometria acústica consiste em sua capacidade de medir a geometria nasal, sendo um instrumento importante para o acompanhamento clínico rinológico,9,38,39 possibilitando a discriminação entre os efeitos funcionais da mucosa e alterações estruturais relativos à obstrução nasal, quando utilizada nos exames antes e após aplicação de vasoconstritor.39

Embora o exame não forneça o diagnóstico etiológico da obstrução nasal, quantifica a magnitude do sintoma obstrutivo em um determinado momento, sendo, portanto, considerado um teste específico na pesquisa da permeabilidade nasal5,21,40 complementar ao exame clínico.

Tendo em vista a importância da permeabilidade nasal para o estabelecimento da respiração nasal fisiológica e o impacto negativo da obstrução nasal sobre as funções do sistema estomatognático,41 incluindo a fonoarticulação, o presente artigo tem como objetivo revisar, de forma sistemática, a eficácia da rinometria acústica no auxílio diagnóstico de pacientes com respiração oral.

Método

A revisão sistemática da literatura foi realizada a partir das bases de dados LILACS via Bireme, MEDLINE via Bireme, MEDLINE via Pubmed, SciELO, Web of Science, Scopus, PsycInfo, CINAHL e Science Direct, tendo a busca de dados ocorrido de agosto a dezembro de 2013. Para a pesquisa, foram utilizados descritores e cruzamentos dispostos na tabela 1.

A busca foi realizada por dois pesquisadores de forma independente, seguindo os critérios de inclusão e exclusão. Como critérios de inclusão, foram selecionados artigos originais que abordassem a eficácia do instrumento da rinometria acústica na avaliação da respiração oral, tendo os manuscritos sido publicados em qualquer língua.

Os artigos de revisão da literatura e editoriais foram excluídos, bem como aqueles que não possuem palavras que aludam ao assunto abordado nesta revisão e que não utilizem do instrumento da rinometria acústica como diagnóstico complementar e estudos realizados em animais.

As características metodológicas dos artigos foram abordadas de acordo com os critérios de inclusão, análise estatística e comparação estatística entre os grupos selecionados (tabela 2).

Resultados

Podemos observar no fluxograma do número de artigos encontrados e selecionados após aplicação dos critérios de inclusão e exclusão segundo descritores e bases de dados (fig. 1).

Figura 1 Fluxograma do número de artigos encontrados.

Para melhor apresentar os resultados e alcançar os objetivos propostos, optou-se por considerar as seguintes variáveis dos artigos selecionados: autor/ano, local, tipo de estudo, amostra, equipamentos/métodos utilizados e resultados (tabela 3).

Discussão

No século XIX, especificamente em 1977, Jackson et al. desenvolviam estudos sobre a técnica de reflexão acústica para calcular as áreas de medida transversal da traqueia, da faringe e da região supraglótica.42 Somente em 1989, Hilberg et al.9 introduziram a rinometria como método de reflexão acústica, adaptado para as cavidades nasais. Tal método pode ser definido como uma avaliação objetiva da patência (ou permeabilidade) nasal, baseado na reflexão de uma onda sonora, oferecendo informações sobre as dimensões e geometria da cavidade nasal.11,12,27,43

O uso dessa técnica na avaliação de indivíduos com respiração oral vem amadurecendo nos últimos 20 anos. Nessa pesquisa, encontramos dois artigos que abordavam o tema proposto, onde foi percebida a heterogeneidade entre eles com relação aos autores e aos períodos de publicação. Nos manuscritos incluídos, observou-se o início do uso da técnica de reflexão acústica para avaliação e caracterização do modo respiratório, seguindo um intervalo de quase duas décadas para a aplicabilidade dessa mesma técnica. Desde a publicação de 1994 até 2013,44,45 não houve publicações que retratem o uso da rinometria acústica no auxílio diagnóstico da respiração oral.

A avaliação objetiva da permeabilidade nasal em indivíduos com obstrução nasal vem se desenvolvendo com o uso do método da reflexão acústica, por meio de pesquisas na população com rinite alérgica, hipertrofias de tonsilas palatinas e infecções respiratórias recorrentes.1,46-48 A respiração oral vem sendo pontuada nas publicações que utilizam rinometria acústica como uma das consequências da obstrução nasal. Devido a esse fato, encontramos intervalos grandes entre as publicações aqui avaliadas.

No que diz respeito ao local dos estudos, os manuscritos incluídos nessa pesquisa são oriundos da América do Norte (Boston, nos Estados Unidos) e da América do Sul (Porto Alegre, no Brasil).44,45 Contudo, a última publicação dos Estados Unidos em relação ao tema proposto foi em 1994, mostrando que o uso do equipamento da rinometria acústica no Brasil continua atualizando-se nos diversos tipos de população, incluindo a avaliação e diagnóstico da respiração oral. Desses manuscritos inclusos, observam-se semelhanças em relação o tipo do estudo, onde apresentam critérios de inclusão especificados, grupo controle, análise estatística e comparação estatística entre grupos. São caracterizados como estudo descritivo analítico43 de caráter quantitativo e estudo de caso controle.45

A amostragem foi um aspecto relevante apontado nos manuscritos, tendo revelado uma semelhança no número reduzido de sujeitos no primeiro artigo (20 – 10 em cada grupo)44 e um pouco mais que o dobro (48 – 24 em cada grupo) no segundo artigo.45 Supõe-se que esse número reduzido de indivíduos apresentados nos estudos pode comprometer a reprodutibilidade dos achados para a população geral. Nos manuscritos, a idade dos sujeitos da pesquisa também é semelhante: crianças entre 8 e 12 anos, com médias aproximadas de 9,1 anos45 e 10,1 anos.44 Isso corrobora outros estudos que utilizam a mesma técnica com a população infantil, tanto para a média de idade quanto para o número de sujeitos.31,48,49

Em estudos que avaliam procedimentos cirúrgicos para obstrução nasal, a rinometria acústica é utilizada para quantificar o sucesso dessas cirurgias. Como é um método disponível que fornece a medida geométrica da cavidade nasal por meio de um sinal acústico refletido, o resultado é uma onda chamada rinograma, que tem a forma típica de um “W”. Desse modo, fornece alguns parâmetros como a área de secção transversal mínima (região de maior resistência ao fluxo de ar) e o volume em seguimentos específicos.31,49,50

Outro aspecto importante é a forma como a amostra é dividida. Nos dois artigos incluídos nesta pesquisa, há uma divisão de dois grupos amostrais, separando-se crianças com respiração oral das crianças com respiração predominantemente nasal. A comparação estatística entre os grupos44,45 mostra-nos homogeneidade entre essas variáveis dos estudos. Isso está em consonância com estudos que utilizam a mesma metodologia de comparação de grupos, predominando as publicações na população com rinite alérgica e grupo controle.41,48

Nos dois manuscritos incluídos nesta revisão, foi utilizado o método da rinometria acústica para avaliação da respiração oral. No artigo de Zavras et al.,44 foi utilizado o rinômetro acústico EK Eletronics, Aarhus da Dinamarca. Foi realizada avaliação clínica do modo respiratório pelo dentista pediatra de forma observacional, seguida de um questionário aplicado para os parentes/responsáveis. Diferente do artigo de Fenterseifer et al.,45 que não especifica qual equipamento rinométrico utiliza, realiza os exames otorrinolaringológicos de oroscopia, rinoscopia anterior e raio X de cavum, além da avaliação clínica do modo respiratório por meio do Protocolo para Avaliação de Crianças com Deficiência de Aprendizado.

Foram observadas diferenças no uso dos equipamentos e materiais utilizados para a avaliação do modo respiratório entre os estudos, mostrando que ainda não há um consenso na avaliação e diagnóstico de indivíduos com respiração oral. Além disso, revela o reduzido número de publicações, evidenciando o uso de um equipamento que objetiva a mensuração da área das cavidades nasais, recurso de grande importância no auxílio diagnóstico do modo respiratório.

Os artigos desta revisão foram avaliados estatisticamente, utilizando o mesmo teste estatístico para amostras independentes. O estudo de 1994 44 faz a análise dos dados por meio do Teste t pareado para amostras independentes, identificando que, ao analisar o volume total de ambas as narinas, verificou-se que os valores do grupo B – respiração predominantemente nasal (17,7 + 4,9 mL) foram significativamente maiores do que o Grupo A – respiração oral (12,0 + 4,1 mL). Já o teste de correlação de Spearman para a análise entre as cavidades nasais mostrou correlações significantes entre a área mínima de cada narina e o volume correspondente desta narina. No entanto, a publicação de 201345 citou que, no estudo do volume das cavidades nasais, pela rinometria acústica, os resultados não mostraram haver relação consistente entre os dois grupos no somatório do volume médio das fossas nasais (p = 0,75), comparandose os dois grupos. De forma geral, os artigos apontam uma diminuição da geometria nasal em crianças com respiração oral. Podemos inferir que a ausência de mais dados estatísticos significantes possa ser referente ao reduzido número de sujeitos das pesquisas.

Embora não direcionado para a respiração oral, um estudo com 101 sujeitos comprovou diferenças significantes da geometria nasal, volume e área transversal mínima entre os grupos com grau de obstrução nasal diferente (leve, moderado e grave).47 Isso mostra que uma maior quantidade de sujeitos nos leva a melhores diferenças significativas.

Tais resultados remetem à necessidade de estudos mais detalhados na população com respiração oral, com investimentos em métodos quantitativos e objetivos, assim como em testes padronizados.

Conclusão

Neste artigo de revisão, os estudos incluídos atestam o uso da rinometria acústica na população com respiração oral. Embora talvez haja consenso teórico com relação à diminuição da geometria e volume das cavidades nasais em indivíduos com respiração oral, ainda não é possível evidenciar científica e clinicamente essa diminuição, comparada a indivíduos que apresentam uma respiração predominantemente nasal. De acordo com os artigos, essa técnica já vem sendo aplicada há quase 20 anos, mas ainda são necessários estudos controlados que atestem a eficácia de mensuração da área das cavidades nasais como auxílio diagnóstico do modo respiratório.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.


Recebido em 10 de maio de 2014;

aceito em 1 de agosto de 2014

DOI se refere ao artigo: http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2014.12.007

Como citar este artigo: de Melo AC, Gomes AO, Cavalcanti AS, da Silva HJ. Acoustic rhinometryin mouth breathing patients: a systematic review. Braz J Otorhinolaryngol. 2015;81:212-8.

☆☆ Instituição: Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil.

* Autor para correspondência.

E-mail:carolyhcm@yahoo.com.br (A.C. Cardoso de Melo).

Bibliografia
[1]
Internal nasal dimensions of adults with nasal obstruction. Braz J Otorhinolaryngol. 2013;79:575-81.
[2]
A incid??ncia de respiradores bucais em indiv??duos com oclus??o classe II. J Bras Ortodon Ortop Facial. 1999;4:223-40.
[3]
Respirador bucal: a vis??o do otorrinolaringologista. J Bras Ortodon Ortop Facial. 1999;4:241-7.
[4]
Belo Horizonte, MG: Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais; 2008.
[5]
Testes espec??ficos da permeabilidade nasal. Braz J Otorhinolaryngol. 2007;73:2.
[6]
Subjective nasal fullness and objective congestion. Proc Am Thorac Soc. 2011;8:62-9.
[7]
Aera????o nasal em crian??as asm??ticas. Rev CEFAC. 2011;13:783-9.
[8]
A reprodutibilidade do espelho de glatzel modificado na aferi????o da permeabilidade nasal. Braz J Otorhinolaryngol. 2008;74:215-22.
[9]
Acoustic rhinometry: evaluation of nasal cavity geometry by acoustic reflection. J Appl Phycol. 1989;66:295-303.
[10]
Acoustic rhinometry in infants and children. Rhinol Suppl. 2000;16:52-8.
[11]
Objective measurement of nasal airway dimensions using acoustic rhinometry: methodological and clinical aspects. Allergy. 2002;57 Suppl. 70:5-39.
[12]
Adult nasal volumes assessed by acoustic rhinometry. Braz J Otorhinolaryngol (Engl Ed). 2007;73:32-9.
[13]
Nasal airway in cleft-palate patients: acoustic rhinometric data. J Cranio-Max Fac Surg. 1997;25:270-4.
[14]
Evaluation of the importance of head and probe stabilisation in acoustic rhinometry. Rhinology. 2001;39:93-7.
[15]
Reprodutibilidade e repetibilidade da rinometria ac??stica. Arq Otorrinolaringol. 2003;7:213-8.
[16]
Correlation between fiberoptic nasal endoscopy and acoustic rhinometry in adults without nasal complaints. Am J Rhinol. 2006;20:375-8.
[17]
Reproducibility of acoustic rhinometry in the investigation of occupational rhinitis. Am J Rhinol. 2007;21:474-7.
[18]
Comparison of nasal volume changes during rapid maxillary expansion using acoustic rhinometry and computed tomography. Eur J Orthod. 2007;29:251-5.
[19]
Acoustic rhinometry: recommendations for technical specifications and standard operating procedures. Rhinol Suppl. 2000;16:3-17.
[20]
Consensus report on acoustic rhinometry and rhinomanometry. Rhinology. 2005;43:169-79.
[21]
Acoustic rhinometry: should we be using it? Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2006;14:29-34.
[22]
Critical evaluation of different objective techniques of nasal airway assessment: a clinical review. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2014 [Epub ahead of print].
[23]
Uso da rinometria ac??stica como m??todo diagn??stico. Braz J Otorhinolaryngol. 2004;70:500-3.
[24]
Two-year follow-up with acoustic rhinometry in children. Am J Rhinol. 2006;20:203-5.
[25]
Acoustic rhinometry in pre-school children. Otolaryngol Head Neck Surg. 2007;137:39-42.
[26]
Changes in nasal cavity dimensions in children and adults by gender and age. Laryngo-scope. 2007;117:1429-33.
[27]
Nasal cavity geometry of healthy adults assessed using acoustic rhinometry. Braz J Otorhinolaryngol. 2008;74:746-54.
[28]
Acoustic rhinometry and computed tomography scans for the diagnosis of nasal septal deviation, with clinical correlation. Otolaryngol Head Neck Surg. 2000;123:61-8.
[29]
An interpretation method for objective assessment of nasal congestion with acoustic rhinometry. Laryngoscope. 2002;112:926-9.
[30]
Modified method of acoustic rhinometry. Acta Otolaryngol. 2002;122:298-301.
[31]
Acoustic rhinometry evaluation of nasal cavity and nasopharynx before and after adenoidectomy. Braz J Otorhinolaryngol. 2003;69:333-6.
[32]
Pre and postoperative evaluation by acoustic rhinometry of children submitted to adenoidectomy or adenotonsillectomy. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2004;68:311-6.
[33]
Acoustic rhinometry in the objective evaluation of childhood septoplasties. IntJ Pediatr Otorhinolaryngol. 2005;69:445-8.
[34]
Effects of orthopedic rapid maxillary expansion on internal nasal dimensions in children with cleft lip and palate assessed by acoustic rhinometry. J Craniofac Surg. 2010;21:306-11.
[35]
Acoustic rhinometric measurements in children undergoing rapid maxillary expansion. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2006;70:27-34.
[36]
Effect of rapid maxillary expansion on the dimension of the nasal cavity and on nasal air resistance. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2006;70:1225-30.
[37]
Internal nasal measurements of adults with nasal obstruction. Braz J Otorhinolaryngol. 2013;79:1-7.
[38]
Clinical applications of acoustic rhinometry. Rhinol Suppl. 2000;16:35-43.
[39]
Dimens??es internas nasais de crian??as com fissuras de l??bio e palato unilateral aferidas por rinometria ac??stica. Bauru. Tese, HRAC-USP; 2007.
[40]
Acoustic rhinometry and its uses in rhinology and diagnosis of nasal obstruction. Facial Plast Surg Clin North Am. 2004;12:397-405.
[41]
Altera????es funcionais do sistema estomatogn??tico em pacientes com rinite al??rgica: estudo caso-controle. Braz J Otorhinolaryngol. 2009;75:268-74.
[42]
Rhinometry: measurement of nasal patency. Ann Allergy. 1982;49:179-85.
[43]
Prediction of nasal obstruction based on clinical examination and acoustic rhinometry. Rhinology. 1997;35:53-7.
[44]
Acoustic rhinometry n the evaluation of children with nasal or oral respiration. J Clin Pediatr Dent. 1994;18:203-10.
[45]
Mouth breathing in children with learning disorders. Braz J Otorhinolaryngol. 2013;79:620-4.
[46]
Objective, subjective assessments of nasal obstruction in children and adolescents with allergic rhinitis. J Pediatr. 2012;88:389-95.
[47]
Objective measurements differ for perception of left and right nasal obstruction. Auris Nasus Larynx. 2012;40:81-4.
[48]
Correlation between nasal resistance and different acoustic rhinometry parameters in children and adolescents with and with-out allergic rhinitis. Braz J Otorhinolaryngol. 2012;78:81-6.
[49]
Avalia????o Pr?? e P??s-operat??ria por Rinometria Ac??stica de Pacientes Submetidos ?? Cirurgia de Septo Nasal e Conchas Inferiores. Int Arch Otorhinolaryngol. 2002;6:172.
[50]
Evaluation of children nasal geometry, employing accoustic rhinometry. Braz J Otorhinolaryngol. 2010;76:355-62.
Idiomas
Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas