Compartilhar
Informação da revista
Vol. 87. Núm. 4.
Páginas 486-488 (Julho - Agosto 2021)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 87. Núm. 4.
Páginas 486-488 (Julho - Agosto 2021)
Relato de caso
DOI: 10.1016/j.bjorlp.2020.11.009
Open Access
Regressão espontânea de adenocarcinoma da glândula submandibular
Visitas
...
Otávio A. Curionia, Pedro de Andrade Filhob, Andreza de Jesus Pratesa, Abrão Rapoporta, Rogério Aparecido Dedivitisc,
Autor para correspondência
dedivitis.hns@uol.com.br

Autor para correspondência.
a Hospital Heliópolis, Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço/Otorrinolaringologia, São Paulo, SP, Brasil
b Loma Linda University Medical Center, Department of Otolaryngology/Head and Neck Surgery, Loma Linda, Estados Unidos
c Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, São Paulo, SP, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo
Introdução

O desaparecimento de um câncer sem uma explicação satisfatória raramente é aceito no meio médico. Esse processo é chamado de “regressão” ou “remissão espontânea” e, em casos excepcionais, os pacientes são curados da doença. A definição formal como desaparecimento parcial ou completo de um tumor maligno na ausência de tratamento ou na presença de terapia inadequada foi criada pelo Dr. Tilden Everson e pelo Dr. Warren Cole na década de 1960.1 A incidência de regressão espontânea é estimada entre um em 60.000 a um em 140.000 casos de câncer, embora seja muito difícil defini‐la com base nos aspectos clínicos.2

A literatura médica é rica em relatos de casos de neoplasias confirmadas por exame anatomopatológico, com tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM), e mostra doenças generalizadas com regressão espontânea, que abrangem quase todos os tipos histológicos de câncer. Os exemplos incluem algumas neoplasias hematológicas, sarcoma, melanoma, neuroblastoma, astrocitoma, carcinoma de células de Merkel e vários sítios afetados pelo câncer (mama, pulmão, testículo, próstata, cervical, fígado, cólon, rim).

Na região de cabeça e pescoço, há descrições de regressão espontânea nas neoplasias de orofaringe, língua, assoalho bucal e laringe. No caso da glândula salivar, há relatos de regressão de tumor metastático de melanoma, carcinoma de células de Merkel e regressão de metástase pulmonar de carcinoma adenoide cístico da parótida. O mecanismo exato responsável pela remissão é desconhecido.

Relato de caso

Uma mulher de 51 anos procurou atendimento ambulatorial para avaliação de lesão tumoral em região submandibular esquerda havia 5 meses associada a pioria da dor. Havia história prévia de tabagismo por 38 anos. Ela apresentava assimetria facial com lesão de 7×5cm na glândula submandibular esquerda, fixada à mandíbula, sem outros linfonodos palpáveis no pescoço. A paciente apresentava paralisia do ramo marginal do nervo facial (fig. 1). A biópsia por punção aspirativa com agulha fina (PAAF) apresentou suspeita de malignidade e a tomografia computadorizada mostrou lesão na topografia da glândula submandibular esquerda, envolvia a mandíbula, sem invasão óssea aparente, e extenso tecido necrótico com infiltração do assoalho da boca (fig. 2). A PET/CT mostrou uma lesão que envolvia a glândula submandibular esquerda (SUV mtox: 17,1) e linfonodos cervicais em nível II, III, V à esquerda e nível IV bilateral (SUV mtox: 10,7). Uma biópsia incisional foi feita sob anestesia local e os cortes histológicos mostraram um carcinoma infiltrativo pouco diferenciado; a análise imuno‐histoquímica foi positiva para citoqueratina/CK‐6, confirmou a diferenciação epitelial. O diagnóstico de adenocarcinoma de baixo grau foi definido. Enquanto a paciente aguardava o tratamento cirúrgico, ela apresentou sinais de regressão tumoral e o tumor desapareceu completamente após 4 meses. Novos exames de imagem com PET‐CT foram feitos e mostraram resolução metabólica completa da lesão. A paciente está em acompanhamento ambulatorial sem evidência da doença após acompanhamento de 75 meses (fig. 3).

Figura 1.

Aspecto clínico em repouso, evidencia assimetria facial e paralisia do ramo marginal do VII nervo craniano.

(0,11MB).
Figura 2.

Tomografia computadorizada: tumor de glândula submandibular esquerda localmente avançado.

(0,06MB).
Figura 3.

Ausência de lesões cervicais 72 meses após a hospitalização. A tomografia computadorizada manteve a resolução do tumor da glândula submandibular esquerda 75 meses após a remissão.

(0,11MB).
Discussão

Existem vários casos de cura espontânea de neoplasias malignas; entretanto, neoplasias de cabeça e pescoço que se enquadram nessa definição são incomuns. Não encontramos relatos de regressão espontânea de adenocarcinoma de glândula salivar nas bases de dados de pesquisa Pubmed, VHL, Capes e Cochrane. Existem descrições de regressão de metástases de melanoma em câncer de glândula salivar,3 carcinoma de células de Merkel4 e regressão espontânea de metástase pulmonar de carcinoma adenocístico de parótida.5

As teorias atuais mais aceitas para o desencadeamento da regressão espontânea de tumores envolvem processos infecciosos e hipoglicemia como geradores de resposta imunológica exacerbada, responsáveis pelo mecanismo de cura. A teoria da imunomodulação ajudou a compreensão médica da regressão espontânea, que pode ser vista como a interação do câncer com o hospedeiro determina uma eliminação incompleta, um equilíbrio entre forças ou um escape da resposta imunológica.6

Em condições ideais, os elementos inatos e adaptativos do sistema imunológico trabalham juntos para eliminar o câncer (muitas vezes de forma imperfeita) com células T regulatórias (CD4+) e citotóxicas (CD8+), células dendríticas, células Natural‐Killers (NK) e macrófagos com uma série de proteínas secretadas por ativação imune, como interferon gama, interleucina 12 e fator de necrose tumoral (TNF) que atuam em harmonia. A regressão espontânea pode, em alguns casos, ser uma manifestação desse processo dinâmico.7

Uma das chaves para esse processo parece ser a estimulação da imunidade inata. Em uma série de relatos de casos de cura espontânea, foi levantada a hipótese de que o estímulo de uma condição infecciosa ajuda o sistema imunológico inato a reconhecer as células tumorais.8

Outra teoria em estudo que pode corroborar os fenômenos da cura espontânea é a da hipoglicemia/hiperglicemia.9 Essa teoria argumenta que um estímulo de hipoglicemia externa, respondido com gliconeogênese e hiperglicemia reacional, provoca uma ativação de células T.10

Conclusão

Este é um evento incomum e o mecanismo exato para essa regressão é desconhecido.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse

Referências
[1]
T.C. Everson.
Spontaneous regression of cancer.
Ann N Y Acad Sci., 114 (1964), pp. 721-735
[2]
W.Y. Chang.
Complete spontaneous regression of cancer: four case reports, review of literature, and discussion of possible mechanisms involved.
Hawaii Med J., 59 (2000), pp. 379-387
[3]
M. King, D. Spooner, D.C. Rowlands.
Spontaneous regression of metastatic malignant melanoma of the parotid gland and neck lymph nodes: a case report and a review of the literature.
Clin Oncol (R Coll Radiol)., 13 (2001), pp. 466-469
[4]
D.C. Mulder, A.J. Rosenberg, P.W. Storm-Bogaard, R. Koole.
Spontaneous regression of advanced Merkel‐cell‐like small cell carcinoma of the parotid gland.
Br J Oral Maxillofac Surg., 48 (2010), pp. 199-200
[5]
B. Grillet, M. Demedts, J. Roelens, P. Goddeeris, E. Fossion.
Spontaneous regression of lung metastases of adenoid cystic carcinoma.
Chest., 85 (1984), pp. 289-291
[6]
R.D. Schreiber, L.J. Old, M.J. Smyth.
Cancer immunoediting: Integrating immunity's roles in cancer suppression and promotion.
Science., 331 (2011), pp. 1565-1570
[7]
S.R. Jhawar, A. Thandoni, P.K. Bommareddy, S. Hassan, F.J. Kohlhapp, S. Goyal, et al.
Oncolytic viruses‐natural and genetically engineered cancer immunotherapies.
Front Oncol., 7 (2017), pp. 202
[8]
B. Niakan.
Common factors among some of the reported cases of the spontaneous remission and regression of cancer after acute infections.
Int J Cancer Clin Res., 6 (2019), pp. 112
[9]
S.J. Oiseth, M.S. Aziz.
Cancer immunotherapy: a brief review of the history, possibilities, and challenges ahead.
J Cancer Metastasis Treat., 3 (2017), pp. 250-261
[10]
J. Oleksyszyn, J. Wietrzyk, M. Psurski.
Cancer – could it be cured?. A spontaneous regression of cancer, cancer energy metabolism, hyperglycemia‐hypoglycemia, metformin, warburg and crabtree effects and a new perspective in cancer treatment.
J Cancer Sci Ther., 6 (2014), pp. 56-61

Como citar este artigo: Curioni OA, Andrade Filho P, Prates AJ, Rapoport A, Dedivitis RA. Spontaneous regression of adenocarcinoma of submandibular gland. Braz J Otorhinolaryngol. 2021;87:486–8.

A revisão por pares é da responsabilidade da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico‐Facial.

Copyright © 2020. Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial
Idiomas
Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas